- Ano III - nº 3(24) - Maio/Junho de 2009.                                                               Direção: Osiris Costeira

FITOTERAPIA - Iára Vieira.

As Plantas Medicinais.

“Faz parte da sabedoria popular a crença de que, quando uma comunidade é acometida por determinado mal, coincidentemente, existe em abundância na região a erva indicada para o tratamento”.

As plantas têm a sua missão; foram criadas com o objetivo de oferecer inúmeros benefícios ao ser humano: alimentar, proteger, curar, dar alegria e, no final do ciclo, voltar à mãe terra, que tudo cria, transforma e recria, e, ao homem, caberia a responsabilidade de protegê-las e respeitá-las.

Carlos Magno foi um dos primeiros defensores das plantas, ao baixar um edital protegendo a hortelã nativa, ameaçada de extinção; ele poderia ser considerado o “patrono da ecologia”, hoje representado pelo inglês William Cobbett.

A primeira lei ecológica portuguesa data de 1311; no Brasil, o assunto foi objeto de cuidados na época colonial, pois foram expedidos atos que regulavam o corte de certas árvores e protegiam algumas espécies de animais.

O primeiro herbário das Américas está inserido no Manuscrito Badanius, que é chamado Herbário Asteca, escrito no século XVI em náuatle, a língua dos índios astecas, do México, posteriormente traduzido para o latim e o espanhol.

Esse material esteve desaparecido por longo tempo, e somente em 1990 foi devolvido ao México pelo Papa João Paulo II, quando da sua visita àquele país.

O americano Cleve Backster registrou através de um galvanômetro, que as plantas tem memória, pensam, manifestam aversão ou simpatia, sentem raiva, medo, alegria, gostam de bom trato, carinho e admiração; mostram felicidade quando se sentem queridas.

Hoje, a Fitoterapia é considerada um método natural, preventivo e curativo. No entanto, o consumo crescente das plantas medicinais e a procura de produtos ditos naturais, desencadearam um consumo sem limites e sua consequente extração predatória sem um controle eficaz e um programa de replantio, é uma considerável ameaça que pode acarretar a extinção de algumas espécies já ameaçadas.

“Segundo estudos do Fundo Mundial para a Natureza, a Alemanha é o país que mais importa plantas medicinais e o que mais exporta produtos naturais” (Inna Bruno & Nilza Naldi – O milagre das plantas – Editora Atheneu, 2ª edição, São Paulo, 2003).

MEDICINA POPULAR E FITOTERAPIA

O conhecimento e a utilização das plantas medicinais têm seu caráter popular e seu caráter técnico-científico. O caráter popular é a tradicional medicina do povo, popular, caseira ou tradicional. Ao caráter científico denominamos Fitoterapia (terapia = tratamento; fito = plantas, ervas).

Diferençamos a Medicina Popular da Fitoterapia em diversos aspectos, mas principalmente quanto a sua origem: a primeira de observação empírica e da experiência prática de vários agentes anônimos, e a segunda de experimentação racional e da comprovação através do conhecimento científico acumulado.

Da Medicina Popular, destacamos:

1- Suas características

            - Origem popular

            - Objetivo pautado na resistência cultural

            - Método intuitivo

“Os padrões e valores que a orientam são transmitidos por meio predominantemente orais, não institucionalizados, desenvolvendo-se numa dinâmica própria, segundo o contexto sócio-cultural, econômico e físico que se insere”.

2- Seus elementos e traços predominante

           - Relação com a natureza

           - Visão diferenciada da doença e suas origens

           - A fé

“Embora sofra variações regionais, as várias formas de Medicina Popular apresentam traços comuns como a profunda relação com a natureza e a vinculação com diferentes credos religiosos e ritos de caráter mágico, praticados pelos curadores, rezadores e benzedores”.

3- Seus recursos  

            - Alimentação

            - Utilização das plantas medicinais

            - Resguardo - repouso

            - Água e Terra

Da Fitoterapia, destacamos seus diversos aspectos relacionados às áreas de conhecimento:

1- Aspectos Antropológicos: relação entre as plantas e a cultura dos povos. Os diversos sistemas de medicina popular.

2- Aspectos Botânicos: classificação e identificação das plantas medicinais, além da nomenclatura científica que é aceita em todo mundo.

3- Aspectos Agronômicos: cultivo e produção das plantas medicinais de maneira que elas mantenham o máximo de seu efeito medicinal.

4- Aspectos Farmacológicos: Modo como as plantas medicinais agem no organismo.

5- Aspectos Clínicos: Utilização das plantas medicinais a partir de estudos científicos. Como, quando e onde utilizar

6- Aspectos Toxicológicos: Efeitos adversos das plantas e que pode causar danos aos seres humanos.

 

CONTATO

fale conosco, tire suas dúvidas, fale com os terapeutas, opine sobre os artigos e dê sua sugestão de conteúdo.

BIBLIOTECA/LINKOTECA SELECIONADA

Nosso objetivo é formar um banco de referências bibliográficas das diferentes Terapias Holísticas, para consulta de todos os interessados em mais detalhes sobre determinado assunto. Seria muito importante, e verdadeiramente interativo, se recebessemos sugestões , objetivando uma das finalidades do site Terapia de Caminhos que é compartilhar experiências e conhecimento. Clique aqui para acessar a terapia que deseja uma bibliografia selecionada para consultas.

"As opiniões emitidas nos textos do site são de exclusiva responsabilidade de seus autores".